8.6.15

[Resenha] Reboot :: Amy Tintera

Reboot #1
Autora: Amy Tintera
Editora: Galera Record
Páginas: 352
Quando grande parte da população do Texas foi dizimada por um vírus, os seres humanos começaram a retornar da morte. Os Reboots eram mais fortes, mais rápidos e quase invencíveis. E esse foi o destino de Wren Connolly, conhecida como 178, a Reboot mais implacável da CRAH, a Corporação de Repovoamento e Avanço Humano. Como a mais forte, Wren pode escolher quem treinar, e sempre opta pelos Reboots de número mais alto, que têm maior potencial. No entanto, quando a nova leva de novatos chega à CRAH, um simples 22 chama sua atenção, e, a partir do momento que a convivência com o novato faz com que ela comece a questionar a própria vida, a realidade dos reinicializados começa a mudar. 
E se a morte não fosse o fim? E se quando uma pessoa morresse aquele não fosse o seu fim e ela voltasse mais forte, sendo que quanto mais tempo morta mais forte ela seria quando retornasse. Esse é o mundo de Reboot. Quando um ser humano morre, ele volta a vida como um Reboot, tudo graças a um vírus, mas os Reboots não são zumbis (ao menos não aqueles aos quais estamos acostumados) e eles tem emoções, mesmo que poucas, já que quanto mais tempo uma pessoa passa morta, menos emoções ela sente. 
‘‘Quando os humanos começaram a se levantar da morte, eles foram chamados de ‘‘milagre’’. Os Reboots eram a cura para o vírus que dizimara grande parte da população. Eram mais fortes e mais velozes e quase invencíveis.’’
Há a CRAH, Corporação de Repovoamento e Avanço Humano, responsável por capturar rebeldes e treinar os Reboots, e é nela que conhecemos a jovem Reboot de 17 anos, Wren Connoly, também conhecida por 178, pois foram esses os minutos que ela permaneceu morta. Todos a temem, pois ela é a mais forte e implacável entre os Reboots, e sendo a melhor no que faz, ela, que é uma treinadora, pode escolher entre os novos reinicializados, quais deles ela irá treinar para compor as tropas da CRAH, ou seja, ela sempre escolhe os melhores, os que permaneceram mais tempo mortos, os que têm o número mais alto e acaba assim, formando a melhor equipe.

A equipe da Wren sempre foi feita pelos mais letais que também são os que apresentam a maior perda de humanidade, então é uma surpresa para ela quando se vê selecionando Callum para treinar, afinal ele é um mero 22, considerado fraco até para os padrões da sociedade e sua humanidade é presente de forma bem marcante. Mas é após se permitir conhecê-lo, por insistência do rapaz que Wren 178 começa a repensar todas as suas crenças e o modo como os Reboots vivem, ou seria como os Reboots são obrigados a viver? 
‘‘Proteger não é a palavra que eu usaria, mas quase conseguia entender seu ponto de vista. Os humanos escolheram deixar os Reboots mais jovens viverem para que eles ajudassem a limpar as cidades. Acabar com os criminosos e os doentes sem correr o risco de se infectarem e espalharem ainda mais o vírus.’’
Reboot é o romance de estréia da Amy Tintera, mistura sci-fi e distopia de uma forma bem feita, adoro quando autores misturam esses dois gêneros! E o romance surge de forma gradativa entre os mocinhos, não é algo simplesmente imposto. É narrado em primeira pessoa pela protagonista e apresenta uma narrativa com um ritmo acelerado e com uma grande dose de ação.

Reboot é o primeiro livro de uma -ao menos por enquanto- duologia homônima, comecei a leitura sem expectativas e me surpreendi, estou bem ansiosa para ver como a autora irá desenvolver diversos temas na sequência já que o primeiro livro tem uma base mais introdutória ao mundo distópico nos deixando extremamente curiosos para saber o que virá em Rebel, título em inglês do vol. 2.


1 comentários:

  1. Oi Andréia!

    Fiquei super curiosa também. Parece ser uma história mais inovadora, realmente diferente daquelas de zumbis e tal... Vou ficar de olho no seu blog para mais informações dessa sequência ^^ Ah! E com certeza vai pra minha lista ;)

    Bjos
    http://kelenvasconcelos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo