23.12.15

[Resenha] À procura de Audrey :: Sophie Kinsella

À procura de Audrey
Autora: Sophie Kinsella
Editora: Galera Record
Páginas: 336
Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.

Episódios. Como se a depressão fosse um seriado de comédia, sempre com uma tirada hilária. Ou uma série de TV cheia de suspense e finais abertos. O único suspense em minha vida é: "será que um dia vou conseguir me livrar dessa merda?", e, pode acreditar, fica bem monótono.
Faz meses que Audrey está em casa, o único local para o qual sai é para ir de casa direto para o carro, dele direto para a sala de uma terapeuta e de lá novamente para casa, e o tempo em que ela passou internada no hospital ela prefere não contar como sendo uma experiência fora de casa, mas pelo menos ela já fez um avanço, consegue falar normalmente com a família e se sente menos encurralada, e com certeza os ataques de pânico diminuíram. 

Você deve estar se perguntando o por que de tudo isso... Bem, Audrey sofreu de bullying na escola, e foi particularmente pesado, tão pesado que quando todos perceberam ela não conseguia mais interagir com ninguém, teve que ser hospitalizada e agora tenta se recuperar em casa, bom, o tanto quanto sua excêntrica família ajuda.
Ler para surdos? Será que está ouvindo o que ele mesmo está dizendo?
- Surdos? - Mamãe explode. - Surdos? Não preciso que leia para os surdos. Você é o surdo aqui! Nunca escuta nada do que digo... Está sempre com aquelas porcarias de fones de ouvido...
Com uma mãe viciada no Daily Mail, um pai distraído, um irmão "viciado" em video game e outro de apenas quatro Audrey vai caminhando, mas tudo começa de fato a mudar quando seu irmão mais velho trás Linus, um amigo da escola, para dentro de casa, fazendo com que ela explore suas fronteiras e encare seus medos.

Confesso que fiquei com um pé trás com esse livro, afinal eu conheço a Sophie Kinsella por seus livros leves e sem maiores dramas psicológicos, e aqui temos de cara uma menina com sérios problemas e como se isso não bastasse sua família não é nenhum pouco convencional, mas foi só pegar o livro e começar a ler as primeiras páginas que eu não só me deparei com uma cena absurda e hilária e também uma realidade em muitas famílias como percebi que ela iria arrasar. E não é que eu estava certa? À procura de Audrey se tornou um de meus livros favoritos.

A palavra bullying tem estado em muitos lugares ultimamente, e ainda sim sinto que ela não chega a despertar na maioria das pessoas todo seu poder, afinal as gerações anteriores a nossa passaram pela escola e em sua maioria dizem que é normal ser zoado na escola e que isso te faz aprender que temos que ser forte, e okay, acho isso um ponto válido, temos mesmo que aprender que o mundo não é um playground e sim uma roseira brava onde iremos nos furar de vez em quando.

Porém, eles não entendem que as brincadeiras que antes eram apenas de mal gosto e que muitas vezes só humilhava e te fazia chorar, hoje em dia fazem muito mais que isso, todos os dias crianças e adolescente são vítimas de abusos forte, constante e agressivos e À procura de Audrey trás as consequências drásticas do que pode acabar acontecendo.

Depois de passar por uma série de ofensas e maus tratos, onde todos os professores diziam não ser nada, que era coisa de criança, onde os pais dela julgaram não ser tão grave assim, que iria passar logo e onde os melhores amigos caíram fora por medo de serem o próximo alvo, Audrey não consegue nem sequer fitar alguém nos olhos e ultrapassa seus dias à base de remédios.
- Mamãe leu um livro - explico. - O nome é Como conversar com filhos adolescentes.
- Ah, puta merda. - Frank revira os olhos.
- Sem xingamentos, mocinho! - Ela sai rapidinho do papel à la Mulheres perfeitas.
- Ah, puca meda! - repete Felix animadamente, e mamãe inspira profundamente.
- Viu? Viu o que fez?
- Bem, pare de falar comigo como se eu fosse uma porcaria de robô! - grita Frank. - É falso demais.

Mas como se essa densidade toda não me agradasse, a família dela me conquistou completamente, eles são loucos (no bom sentido) e me pareceram totalmente reais, temos uma mãe meio histérica e que quer entender os filhos que estão na adolescência, um pai que ama todos mas que é meio ausente, deixando as grandes decisões para a mulher, irmãos que brigam, mas se apoiam, e todo esse tocante envolvendo o drama tão conhecido entre pais e filhos: o uso constante da internet e de estar online.

De uma maneira cômica e ao mesmo tempo séria, Sophie nos guia pela estória nos mostrando o desenvolvimento dos conflitos, as brigas resultantes, o caminhar de Audrey rumo a sua melhora, com suas recaídas e seus saltos, o entendimento de algumas questões e a melhor convivência entre a família, tudo isso junto a descoberta do amor pela parte de Audrey, e o que tornou tudo perfeito, o fato de que o amor aqui não é a solução dos problemas - não é porque você está apaixonado que todo o resto deixa de existir -, mas sim uma corda a qual se agarrar quando você pensar que a vida está dura demais.

Ela soube dosar de uma maneira perfeita, os problemas, dificuldades e avanços de Audrey, como uma pessoa tentando sair da depressão com ajuda de remédios e consultas, bem como os dramas cotidianos da família, que viu sua rotina mudar completamente em alguns aspectos e nem tanto em outros, com o romance entre Audrey e Linus, que para mim é um amor por se esforçar tanto para que ela melhore e por acima de tudo, entendê-la e não julgá-la, mas principalmente por não desistir dela.
Andei pensando bastante sobre tudo. E acho que mamãe estava certa sobre a parada dos gráficos de altos e baixos. Todo mundo está em um. Até Frank. Até mamãe. Até Felix. Acho que entendi que a vida é tipo uma escalada: você cai e se levanta de novo. Então não importa se der uma escorregada. Contanto que esteja mais ou menos caminhando para cima. Isso é tudo que se pode esperar. Seguir mais ou menos para cima.

44 comentários:

  1. Que livro amorzinho ><
    Eu passei por algo parecido. Digo, aconteceu uns lancea e me afastei das pessoas. E quando fui ver, nem conseguia olhar nos olhos das pessoas.

    Com certeza vou querer ler esse livro, porque eu acho que vou me identificar e pegar algumas dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Thai.
      Sinto muito que você tenha passado por algo parecido, não é exatamente um situação desejável, mas espero que esteja melhor e leia assim, ele te faz pensar muito e a ver determinadas coisas de outra forma.
      Bjokas e depois me conta o que achou sim?

      Excluir
  2. Li esse livro e gostei bastante! Adorei o fato dele abordar assuntos densos e conseguir ser leve, amei a família da Audrey e adorei a forma como o Linus lidou com ela e como o amor realmente não foi mostrado como a solução dos problemas, como ela foi caminhando para a melhora. Acho que o pior do bullying hoje é a dimensão dele, quando eu passei pela escola não existiam celulares nem internet, então, por mais que eu tenha sofrido, pelo menos tinha paz quando estava longe daquelas pessoas.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Ju.
      Acho que você tem razão, o bullying sempre existiu, mas ele alcançava menos todo mundo e por isso às vezes não era tão marcante ou causador de tamanhas reações, bem diferente do que acontece hoje em dia que há pessoas que inclusive se suicidam por não aguentar o peso que se tornou a zuação.
      Também amei como ela levou as coisas e como eu consegui amar esses personagens incríveis e ao mesmo tempo tão normais.
      Bjinhos

      Excluir
  3. Oi Agatha, eu amo a Sophie Kinsella e qualquer coisa que ela publique, eu já quero ler. Adorei este livro e achei que ela mandou bem demais nesta coisa de escrever no gênero Jovem/adulto. Minha opinião é iguaç a sua, a autora soube colocar na medida certa cada temática e isso fez do livro, uma leitura perfeita pra mim.
    Feliz 2016!
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Ivi.
      Menina eu também sou assim, só o nome dela já me encanta e concordo plenamente com você, quero mais livros dela do gênero YA!!! Pra ontem se possível kkk.
      Brigada, um feliz 2016 para você também e bjokas

      Excluir
  4. Ainda não li nada da autora, já vire resenhas boas e outras não tão boas, mas gostei das coisas que você falou na resenha e fiquei muito curiosa com a história.
    Acho que a diferença do bulling hoje é a internet e a facilidade de espalhar a humilhação para fora do grupinho opressor isso deixa, na minha opinião, tudo muito mais doloroso.

    Feliz Ano Novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Daniele.
      Sim, comentei ali em cima que a facilidade com que as coisas ficam grandes é o pior, quando a humilhação não ultrapassa determinados limites, se suporta, mas quando a sua desgraça se torna o apreciar de centenas, às vezes milhões - no caso dos virais -, a coisa não é mais tão fácil assim.
      Espero que dê uma chance a Sophie, ela tem lá seus "defeitos", mas no geral ela te encanta, te faz rir e suspirar ao final de cada livro.
      Bjinhos

      Excluir
  5. Acho essa capa e a combinação de cores dela tão fofa. Já li algumas resenhas por ai mas a história nunca fixa na minha cabeça rsrs Ainda não li nenhum chicklit e pretendo conhecer alguns em 2016. Gosto da abordagem do bullying nos livros, é de extrema importância... só fiquei meio assim da menina só se recuperar depois de encontrar um amor, me faz pensar que somos dependentes. Essa autora é super bem falada e ainda não li ela.
    -Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Mari.
      Ela não se recupera depois de achar um amor, ela já estava se recuperando antes mesmo de Linus aparecer, ele só fez com que a determinação dela aumentasse, bem como sua vontade de ser normal por ele, mas eu disse na resenha que o que me agradou foi o fato de o amor não resolver o problema sozinho, mas seria hipocrisia minha dizer que o amor não ajuda, sempre nos tornamos mais fortes com o amor por alguém, seja fratenal ou romanticamente falando.
      Bjokas e leia sim, chicklits são engraçados e fofos e a Sophie é sensacional!

      Excluir
  6. Da Sophie eu só li uma parte da série Shopaholic, livro que eu gostei muito, e a escrita dela flui bem e os livros eu acabei lendo em um único dia, pretendo comprar esse livro assim que possível para ver esse lado menos cômico dela.
    xoxo

    Planeta 94

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Jason.
      Amo a Becky, ela é incrível e o Luke...Tem como não amar ele? kkkkkk. Leia sim, foi maravilhoso, pois ela ainda consegue ter um senso de humor sagaz num tema que seria mais tenso por assim dizer e isso foi incrível!
      Bjs

      Excluir
  7. Olá,
    Quero muito ler A Procura de Audrey. Acho que o tema que ela abordou é muito sério e no mundo que vivemos hoje em dia, se tornou muito comum e isso é muito grave. Como você mesmo comentou, algumas pessoas falam que na época delas não existia bullying. Certo, okay, mas vamos medir as "brincadeiras" de antigamente com as de agora para ver as mudanças. Pela sua resenha, deu para perceber que a Sophie conseguiu abordar o tema muito bem e isso já me deixou mais curiosa.
    Um grande beijo,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Carolina
      Sim, concordo contigo sobre medir as "brincadeiras", acho que houve muitas mudanças que precisam ser levadas em conta e parar de serem taxadas como "frescura".
      A Sophie fez um ótimo trabalho sim e espero que adore!
      Bjokas

      Excluir
  8. Oie!
    Eu li recentemente esse livro e gostei muito do drama envolvido. A narrativa foi bem leve, mas ao mesmo tempo intensa. O que mais me chamou a atenção é a que a autora evidencia que não importa qual é a ofensa que é feita, mas todas elas sem distinção, faz muito mal.
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Carla.
      Também pensei nisso, foi o equilíbrio perfeito para mim, e olha que esse ano li muitos livros que tem mais ou menos essa dose emocional e problemas complexos como o dela. E claro, não importa o que, uma ofensa é uma ofensa e mesmo que seja dita com um sorriso por um amigo ainda sim pode machucar.
      Bjinhos

      Excluir
  9. Olá, gostei bastante da premissa do livro, me parece que é um livro que dosa bem para não ficar muito dramático e que leva a uma reflexão sobre o bullying, e isso é muito válido, hoje em dia esse tipo de "brincadeira" extrapolou todos os limites e tem muito adolescente virando adultos depressivos, inseguros e infelizes por causa desses traumas, tai um livro para colocar na minha lista de desejados.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos.

    Giuliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ois Giuliana.
      Concordo contigo, não tem sido fácil passar pela adolescência ileso com o bullying forte como está e entrar na vida adulta sem levar marcas desse período é quase impossível.
      Obrigada, fico feliz de ter passado claramente o que o livro trata.
      Bjokas

      Excluir
  10. Ainda não li esse livro, mas já o conhecia através de resenhas lidas. Acho muito pertinente discutirmos a questão do bullying, e nesse sentido, o livro já é muito válido. E se o livro consegue fazer isso de forma leve e cômica, sem deixar de ser sério, me agrada mais ainda. Gostei muito muito da personagem Audrey. Dica mais que aceita! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, não deixe de deixar seu nome da próxima vez!
      Fico contente que a dica seja válida e mais ainda que você tenha gostado, eu acho que esse é um livro sobre bullying que todos deveriam ler, mesmo.
      Bjokas

      Excluir
  11. Acredita que eu nunca li nada da Sophie?
    E até agora, nenhum livro tinha chamado a minha atenção. Na divulgação de lançamento esse também não foi aquilo tudo, mas estou seriamente pensando em dar uma chance depois de ler sua resenha. Acho que a história vai valer muito a pena!!!!
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Lica.
      Que bom que eu te fiz pensar em dar uma chance, sinceramente acho que devia viu? Você pode se surpreender bastante, e sim, algumas vezes eles pecam na divulgação de um livro que é incrível.
      Bjokas e espero que goste bastante caso venha a ler!

      Excluir
  12. Oi Agatha,
    Esse livro parece ser uma graça e apesar de eu ser uma das únicas que não é fã da Sophie, não porque ela não escreve bem, mas porque eu não gosto de chick lit, eu fiquei tentada em ler.
    Sobre "não existir bulliyng" nas gerações passadas, eu digo que ele existia, mas ele não era levado a sério como é hoje. No meu tempo ( ai que antigo isso!), a sociedade não vivia esse tempo politicamente correto e as coisas eram resolvidas de outro modo. Além disso, não tínhamos essa velocidade de informação como hoje, então normalmente ficava restrito aquele grupo, escolar ou não. Mas o que considerávamos "brincadeira" era tão pesado quanto hoje, apenas não tinha-se consciência sobre isso.
    Ótima resenha.
    bjs
    Luana Lima
    www.blogmundodetinta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Luana
      Kkkkkk, realmente é bem antigo falar no meu tempo, mas hoje em dia, com as coisas passando tão rápido, nascer na década passada já te faz falar no meu tempo... Porém concordo contigo, bullying sempre existiu, só não tinha o tamanho e intensidade de hoje.
      E menina como assim não gosta de chicklit?! Sorry, eu entendo, mas como amo dar uma boa risada vira e mexe estou lendo um ;)
      Bjinhos e espero que curta a leitura que apesar de ser da rainha do chicklit, não é leve e nem "raso" como um.

      Excluir
  13. Ei Agatha!
    Já vi algumas resenha sobre esse livro que muito me agradaram, a sua conta bastante da história como ela é, me deu um gostinho especial pra poder pegar a leitura esse ano. A Sophie me conquista já na sinopse kkkk
    bjsss
    feliz ano novo!
    http://umavidaliteraria1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Isa.
      Fico feliz que tenha gostado da minha resenha e espero que ame o livro quando tiver a oportunidade de lê-lo!
      Bjs

      Excluir
  14. Oi Agatha, tudo bem?

    Só li um livro da Sophie, que foi "Eu Fiquei Com o Seu Número" e adorei o humor dela, e estou bem curiosa para ver como ela saiu nesse YA, principalmente tratando um assunto tão série como o bullying, mas pelo que eu vi na sua resenha e em outras, ela se saiu muito bem.

    O Bullying sempre será um assunto importante a ser tratado, discutido, e tudo o mais... e achei muito interessante que nesse livro foca mais nas consequências que ele trás, como mudou a vida da Audrey e de sua família, que pode não ser muito normal, mas parece ser maravilhosa. E também gostei dessa visão do amor que a autora trouxe.

    Feliz 2016!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima || Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Rafa! Como vai moça?
      Então eu também gostei bastante e pode ter certeza a família dela em sua loucura acaba sendo bem normal kkkkk, os achei encantadores e foi bem diferente ver o depois do bullying, não o antes e nem o durante, mas sim o que vem depois que é de fato o mais importante.
      Espero que goste, Fiquei com o seu número é sensacional, mas À procura de Audrey ocupou com louvor o 1 lugar de livro favorito da Sophie.
      Bjokas!

      Excluir
  15. Olá, tudo bem??

    Eu sou doida pra ler esse livro e a sua resenha só me deixou com mais vontade ainda! Amo a capa desse livro <33 espero que também seja um dos meus livros preferidos quando eu tiver a oportunidade de ler... Achei bem interessante como a autora trata esse assunto tão complexo e polêmico...

    XOXO
    Umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie N.
      Espero, sinceramente, que goste bastante, só tenho elogios para oferecer e a capa é mesmo uma lindeza!
      Bjinhos e boa leitura.

      Excluir
  16. Oi Agatha!!
    Sempre vejo resenhas positivas sobre esse livro e gosto muito de livros com essa temática do bullying. Eu quero muito conhecer essa história e ver como a autora conseguiu dosar todos esses elementos e ainda conseguiu incluir um romance na história, espero poder ler em 2016!!
    Beijos

    LuMartinho | Face | Sorteio de Natal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Lu.
      Consegue ler sim, ele é super rápido de se ler, um dia! Espero que leia e ame, ele tem sua cara ;)
      Bjinhoos

      Excluir
  17. Acredita que nunca li nada da autora? E depois de conferir sua resenha dessa obra sei que preciso começar por esse livro. Parece ser uma história especial e comovente. Bullying é algo que eu vejo pouco nos livros, não por não ser falado, mas por nunca ter pego livros do tipo mesmo.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Dessa.
      Acredito, muita gente não leu, mas acho que se você quer conhecer a Sophie esse é entrar a todo vapor! Recomendo também Fiquei com seu número e Lua de mel dela, são ótimos!
      Bjokas

      Excluir
  18. Oi, tudo bem?
    Já vi várias resenhas sobre esse livro e algumas me agradaram bastante. A estória parece ser leve e ao mesmo tempo comovente, o que me conquista e convida a ler a obra. Sua resenha me deixou ainda mais curiosa, então espero ter a oportunidade de lê-lo nesse ano.

    Beijos,
    Andy!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Andy.
      Menina fico feliz que tenha gostado da resenha, de verdade, esse é um ótimo livro e que eu acho que indicarei eternamente a todo mundo kkk.
      Bjinhos e uma boa leitura.

      Excluir
  19. Amiga como sempre arrasando nas suas resenhas em?
    Eu sinceramente adorei. Espero poder fazer a leitura também esse ano ainda, porque quero ver se diminuo um pouco a minha pilha daqui de casa =x
    Mas eu estou curiosa pelos momentos que a Audrey passa e estou querendo saber como ela lida com tudo. Espero poder gostar, ainda mais se tratando da Sophie. E adivinha que livro vou ler em Janeiro? EMMA CORRIGAN !!! hahaahhaha

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/12/resumo-do-mes-dezembro.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OIe Sil! Eu vou bem e você?
      Então menina, esse é maravilhoso, até o momento meu preferido dela e você sabe que falo horrores de tanto que paparico a Sophie né? Pode ler que você vai amar, tenho certeza. ;)
      Bjinhooos, que ler Emma até março kkk

      Excluir
  20. Olá, Agatha, tudo bom?
    Realmente, Bullying é uma palavra que vemos muito hoje em dia. E sim, as pessoas mais "antigas" acham que todo tipo de zoação é somente zoação, e que nada mais grave pode se derivar dali. Discordo totalmente deste pensamento. Todavia, estamos em uma geração de pessoas que se vitimizam em vez de erguerem a cabeça e tentarem ser fortes por si mesmos e pelos outros. Não estou dizendo que bullying não existe, pelo contrário, sei que existe e muito, mas isso não vai ser resolvido de uma hora para outra. Neste quesito, acho que tudo vem de casa, depende da educação e da cabeça da pessoa. Enfim... voltando a resenha, gostei do seu ponto de vista sobre a obra e as criticas que fizeste sore a autora. Com certeza fiquei bem curiosa para com a história e bem animada para ler qualquer coisa da autora. Beijos,
    http://www.quinzeinvernos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, fui dar uma olhadinha em seu blog e você só tem quinze mesmo? Parabéns viu?
      Kk, mas sim, eu te entendo e concordo, são dois lados de uma moeda, e pelo menos para mim resistir é um dever, você nunca deve entregar os pontos, mesmo quando seu corpo grita por isso, sua mente paralisa de tanto desejo por tal opção e seu coração chora porque é a única coisa que consegue fazer, a vida para mim é muito preciosa para se deixar abater totalmente, então levanta e nem que seja sangrando caminhe... É assim comigo, mas eu mentiria se dissesse que não entendo quem facilmente desiste, é uma grande tentação não? A opção mais fácil é sempre uma doce alternativa.
      Fico feliz que tenha gostado e procure sim dar uma chance, é um ótimo livro.
      Bjokas e estarei te acompanhando! ;)

      Excluir
  21. Que resenha lida, amei! Estou curiosíssima para ler esse livro, sou louca para ler algum livro da Sophie mas ainda não tive oportunidade, e vendo que esse novo livro dela traz um tema por qual também me interesso muito, fico com ainda mais vontade de lê-lo.

    ResponderExcluir
  22. Oie, tudo bom?
    Gosto bastante da Sophie, mas como você eu também estou habituada com as histórias leves da autora. Estou bem curiosa com esse livro por dois motivos: pela Sophie e porque gosto de narrativas infanto-juvenis. Eu espero conhecer esse outro lado da autora em breve.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Adoro os livros da Sophie e esse está na minha lista desde o lançamento, assim que li as primeiras resenhas vi que era bem diferente do que estamos acostumados a ler da diva, e mesmo assim fiquei cheia de curiosidade em conferir essa história. Sua resenha está muito boa e só fez aumentar a minha vontade em ler e ver esse novo lado da Sophie. Parabéns!

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  24. Oi Agatha,
    Já li algumas resenhas para esse livro, mas em sua maioria eram superficiais e se apegavam em contar a história e esqueciam do principal. OPINIÃO.
    Gostei de ver esse livro pelos seus olhos, saber o que te chamou a atenção e como você se surpreendeu com essa mudança de gênero da Sophie.
    Estou com meu livro aqui na estante e pretendo pegar em breve :)
    Agora mais animada pelo que vou encontrar...

    Abraço e Bons Livros,
    Biblioteca do Coração❤

    ResponderExcluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo