17.1.16

Retrospectiva Literária 2015 :: Luisa


2015 foi meu primeiro ano usando o Goodreads e um caderninho de anotações para manter o registro dos meus livros lidos. Em parte porque eu tinha estabelecido a meta de ler 50 livros no ano e em parte porque eu estava cansada de ficar me perguntando quando mesmo que eu tinha lido aquela série que parecia ter sido lida muitos anos atrás, mas que na verdade eu tinha lido no ano anterior (ou naquele mesmo). Para compartilhar minhas leituras com vocês, resolvi responder o questionário da retrospectiva literária coletiva que está rolando (criada pelo blog Pensamento Tangencial). Algumas questões ficariam sem resposta, então não as coloquei aqui.

Ah, e você também pode checar meu "ano em livros" no Goodreads, é só clicar no link: My year in books 2015.

Lendo esta postagem, alguns podem questionar a minha capacidade de diferenciar o plural do singular. Não sei por que. Tenho certeza de que nomeei apenas um livro em todas as ocasiões que pediam para um livro ser nomeado.


A aventura que me tirou o fôlego: A série Kate Daniels, da Ilona Andrews. Acho que nem é uma aventura, mas definitivamente tirou meu fôlego. Quase o suficiente para eu entender a tão repetida frase “soltei o ar que não me dei conta de estar prendendo”. Quase. 

O romance que me fez suspirar:
Todos. Mesmo os que foram ruins. Sou uma suspirona. 

A fantasia que me encantou:
Todo o gênero Urban Fantasy me encantou, mas a série The Lunar Chronicles, da Marissa Meyer realmente se destacou (além da série Kate Daniels) por inovar nas adaptações de contos de fadas.


A saga que me conquistou: Kate Daniels <3  

O clássico que me marcou:
Eu ainda estou lendo, mas o livro é Os irmãos Karamázov, do Dostoiéviski. Todos os clássicos que li me marcaram, mas esse marcou mais (talvez por estar sempre na minha frente, em cima da minha escrivaninha, já que eu não termino nunca de ler).

O livro que me fez refletir:
Olha, não foi um ano de muita reflexão, vou confessar. Mas Hamlet, príncipe da Dinamarca (de um autor muito pouco conhecido aí) abriu espaço para muita reflexão/discussão/busca de artigos sobre o livro na internet. 

O livro que me fez rir:
Todos os da série Kate Daniels. E Iracema, do José de Alencar (não era para rir, mas eu ri). E eu reli dois da Meg Cabot, que também garantiram boas risadas. Se colocarmos todos esses livros em uma pilha, dá para dizer que eu nomeei só um.
 
O livro que me fez chorar:
Como eu era antes de você, da Jojo Moyes. Com soluços.

O livro que me decepcionou:
Shadow Heir, da Richelle Mead (é o último livro de uma série que ainda não terminou de ser traduzida no Brasil). E olha que as minhas expectativas estavam baixas. 

O livro que me surpreendeu:
Desire Unchained (segundo livro da série Demoniaca, mas o primeiro que li), da Larissa Ione. Foi uma boa surpresa. Infelizmente, os livros ainda não foram traduzidos e as traduções encontradas na internet são péssimas, do tipo que não dá nem pra quebrar o galho. O inglês desses livros, no entanto, é bem simples, então recomendo para quem quiser se surpreender também.


O livro que devorei:
A série Kate D... Ok, outro. Hm... Eu reli Garoto encontra garota e Todo garoto tem, da Meg Cabot cada um em uma madrugada, então acho que eles merecem o prêmio da vez. 

O livro que abandonei:
Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo, de Benjamin Alire Sáenz. Também foi uma decepção, mas apenas baseada nas resenhas que li, não em uma expectativa segundo conhecimentos sobre outros livros do autor.

A capa que amei: Eu comprei as novas edições de Harry Potter (em capa dura, que são ainda mais lindos) porque os meus livros estavam muito acabados. Sempre que tenho um tempinho dou uma olhada nas capas, só para melhorar meu dia. 

22841994
 
O thriller psicológico que me arrepiou:
Édipo Rei, de Sófocles. Um dos primeiros thrillers psicológicos já escritos. Vale a pena ler e é curtíssimo. 

A frase que não saiu da minha cabeça:
 "Meus irmãos, o amor é um mestre; mas é preciso saber conquistá-lo, pois dificilmente ele é conquistado, à custa de grandes esforços; é preciso amar, de fato, não por um momento, mas até o fim. Qualquer um é capaz de amar ao acaso." Os irmãos Karamázov, Fiódor Dostoiévski.
O(a) personagem do ano: Além de vários personagens da série Kate Daniels, que ficaram comigo porque a série é ótima e porque eu li os oito livros publicados ao longo dos últimos cinco meses, não consegui parar de pensar no Ronan Lynch, de Os garotos corvos, que é o primeiro livro de uma série da autora Maggie Stiefvater. 

 O casal perfeito: Curran e Kate (um prêmio para quem adivinhar de que série, duvido que alguém consiga, duvido) são meu OTP do ano. Mas vale fazer uma menção de honra para Adrian e Sydney, da série Bloodlines. E Magnus e Alec, de Instrumentos Mortais <3 <3 




 O(a) autor(a) revelação: Ilona Andrews. Que na verdade são dois autores, ela e o marido dela, Gordon. Shippo demais esses dois. Eles escreveram a série da Kate Daniels, mas vocês já sabem disso. 

O(a) autor(a) que mais esteve presente entre as minhas leituras:
Fica um empate entre Ilona Andrews e Lisa Kleypas, mas a Lisa ganha porque eu li duas das séries dela, enquanto só li uma da Ilona e do Gordon. 

O gênero literário que mais li:
Um que tem muito beijo no meio. Depois deste ano, não dá pra encontrar felicidade em estar sozinha. Não dá. Acho que ano que vem só vou ler terror. Mentira.


O gênero literário que preciso ler mais:
Definitivamente, Urban Fantasy e romances históricos, apesar de terem sidos os gêneros que li bastante este ano. Eu só não me canso... 

O melhor livro nacional:
O único livro nacional que li este ano foi Iracema. Eu não vou dar a Iracema o título de melhor livro nacional, então vamos dizer que o melhor livro nacional é Sangue Mágico, da Ilona Andrews, só porque eu estou muito feliz por a série ter começado a ser traduzida este ano.

(além de tudo, a capa brasileira é muito melhor do que a americana)

O melhor livro que li em 2015: Mrs. Dalloway, da Virginia Woolf. Gente, que livro. Que. Livro. 

Li em 2015
93 livros.

A minha meta literária para 2016 é:
vou continuar com a minha meta numérica de 50 livros, com um adendo de ler pelo menos um clássico e/ou um livro nacional por mês.


E quanto a você? Se fez um post de retrospectiva (pode ser no blog, pode ser no youtube, pode ser na parede do seu quarto) deixa o link nos comentários porque eu vou amar dar uma olhada. Ou só me conta mesmo qual foram os melhores e os piores do seu ano. Adoro bisbilhotar na vida literária das pessoas ;)  

Ah, e você já leu a série Kate Daniels? <3


2 comentários:

  1. Oie Luisa!
    Menina adorei sua retrô e concordo com você em muitas categorias, e com certeza eu ri com a sua colocação de um único livro por resposta, mas tá valendo!
    E achei super legal da sua parte se propor a ler uma clássico e um nacional por mês, também tenho essa meta, mas pretendo ler livros teóricos sobre literatura e escrita também, então acho que é boa sorte para nós não?
    Bjokas e adorei mesmo a retrô, muitas dicas de leitura também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Agatha! Boa sorte para nós mesmo, é muito tentador ler o próximo livro de uma série em vez de aquele clássico reservado para o mês, mas quero muito tentar variar um pouco minhas leituras. E, nossa, com certeza também quero ler mais livros teóricos, bem lembrado. Ainda bem que fazemos um curso que nos fornece ótimos livros, né? ;)
      Bejos!

      Excluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo