5.3.16

[Cine SB] Boneco do Mal


Ir ao cinema e surpreender-se com a história de um filme é muito prazeroso. A obra sequer precisa ser memorável ou a coisa mais empolgante da década, basta trabalhar bem o que tem em mãos e entregar ao espectador algum tempo de imersão na história contada. Boneco do Mal (The Boy), em síntese, é exatamente um desses filmes.

Dirigido por William Brent Bell (Filha do Mal e Stay Alive) e estrelado por Lauren Cohan (a Megan de The Walking Dead), Boneco do Mal, em um primeiro olhar, pode parecer claramente uma simples cópia de Annabelle. Afinal, é um filme de terror com um boneco. E em até certo ponto, a trama trabalha para que essa imagem seja mantida. O que se mostra uma jogada inteligente, pois assim o efeito de seu grande plotwist é potencializado.

Se o roteiro por um lado não trabalha bem os coadjuvantes, e apenas um pouco melhor sua protagonista, ele é competente no uso dos jumpscares, principalmente por não construir o clima somente com eles. Ao contrário da irmãzinha citada lá em cima — onde o filme é quase todo apenas uma sequência sem fim de sustos —, temos uma história competente. O maior deslize, no entanto, é a história correr em seu início para conseguir êxito no desfecho. O andamento ainda agrada, e mesmo com alguns clichês do gênero, talvez impossíveis de se fugir, o resultado é bom.
Fiquei com a sensação de que William Brent, um diretor já com certa experiência dentro do gênero, não conseguiu extrair o máximo do roteiro, escrito pelo estreante, Stacey Menear.

A história segura o segredo com habilidade e trabalha o suspense de forma imersiva, carregando o espectador pouco a pouco, e sabendo a hora de acelerar e a hora de deixar tomar fôlego sem quebrar o ritmo.

plotwist traz outro subgênero adorado dentre os fãs do terror e o mescla ao que vinha sendo construído até então, ponto alto do filme. O final é satisfatório, porém o ritmo cai justamente quando deveria se elevar e deixa a impressão de não ter sido a melhor escolha para terminar a trama. A inserção de certo personagem é responsável por unir as pontas soltas e desencadear o clímax, mas também quebra um pouco do ritmo. 

A imobilidade do boneco Brahms é mais perturbadora que todas as idas e vindas que ele poderia fazer para assustar ou impressionar, é no silêncio do garoto de porcelana que reside a tensão do filme. Vários closes que incitam o espectador a se preparar para o susto e esperar um pulo, uma piscada, um menear de cabeça, que não acontece.  
Lauren Cohan, por sua vez, consegue segurar o papel sem deixar a peteca cair. Esforçada quando exigida, ainda que o resultado entregue seja inferior ao que poderia ter sido. Mediana também é a trilha sonora composta por Bear McCreary, preenche o filme quando necessário, sem evocar aquele tremor ou elevar os efeitos do filme.

Boneco do Mal, um clichê sem maiores qualidades a primeira vista, revela-se intrigante mesmo com suas falhas. O roteiro é a melhor qualidade e merece destaque, tornando fácil ignorar seus deslizes ao entregar um plotwist que livra a obra de ser apenas mais um filme de terror. Não é mais do mesmo, ele busca sair da mesmice, e pode não entrar nas listas de melhores do gênero e coisas do tipo, mas merece uma chance por ousar.   

Sinopse:Greta, uma jovem mulher norte-americana, busca fugir de seu passado conturbado, e acaba aceitando um emprego em uma pequena aldeia na Inglaterra como babá para o filho de oito anos de um casal rico, enquanto eles tiram um tempo de férias. Greta chega na remota mansão para descobrir que as coisas não estão lá muito boas. Os surpreendentemente idosos Sr. e Sra. Heelshire possuem uma lista de regras estritas para ela seguir na hora de cuidar de seu filho, Brahms; e eles misteriosamente avisam Greta que não seguir as regras de forma precisa pode resultar em algo terrível. Mas o mais perturbador de tudo é que Brahms não é um verdadeiro menino de simples oito anos de idade. Ele é um boneco de porcelana em tamanho natural, a quem os pais amorosos cuidam e amam profundamente, assim como um menino de verdade.


Direção: William Brent Bell
Duração: 1h 38m
Roteiro: Stacey Menear

Elenco: Lauren Cohan, Rupert Evans, Diana Hardcastle, Ben Robson, James Russell.



  

0 comentários:

Postar um comentário

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo