4.4.16

[Resenha] O garoto que tinha asas :: Raiza Varella

O garoto que tinha asas - Trilogia Encantados #2
Autora: Raiza varella
Editora: Independente
Páginas: 408
Skoob  | Goodreads |Compare e Compre 
Depois do conto de fadas protagonizado por Bárbara e Ian em O Garoto dos Olhos Azuis chegou a hora de conhecermos a história de outro casal encantado. Augusto Bittencourt, vulgo Monstro, é um renomado médico, dono de uma carreira sólida e do hábito de dispensar uma mulher atrás da outra sem piedade. Nunca se apaixonou e não acredita que um dia irá encontrar uma mulher interessante o suficiente para mudar esse fato. Mas o destino parecia pensar diferente, em uma madrugada fria ele presencia um terrível acidente de carro e conhece a garota sem nome. Uma garota que há muito tempo não sabe o que é ter um lar, se sentir segura e não precisar fugir de ninguém até que, em meio aos destroços, ela vê alguém correr em sua direção, um garoto que ela poderia jurar ter asas. Embora Augusto esteja muito longe de se parecer com um anjo, ele acaba por salvar a sua vida. Pela primeira vez, o médico de pouco humor e muito caráter terá que enfrentar e ir contra todos os seus princípios para cumprir uma promessa que não deveria ter feito e de quebra, quem sabe, se apaixonar. Em O Garoto que tinha Asas vamos descobrir se o príncipe encantado realmente vem montado em um cavalo branco ou se sua cor é o que menos importa em meio a uma singela releitura de A Bela e a Fera.
Não entendo por que elas fazem isso consigo mesma, elas sabem que sou um cara de uma noite só, talvez mais de uma se ela for muito boa na cama, e mesmo assim insistem em tentar me convencer de que elas são a mulher que me fará mudar, que me  fará pedir para ficar, que eu apresentarei para a família. Não se iluda querida, eu não sou assim, e pretendo nunca ser, principalmente com o tanto que eu ganho, afinal se elas não quisessem eu sempre posso pagar por uma transa.

Não, eu não sou um babaca, apesar de parecer, eu só, e digo isso com toda sinceridade, não consigo entender o tipo de amor que aquele viado do Ian tem com a minha irmã, não entendo seus olhares carinhos, não entendo como ele suporta todo aquele mal humor e entendo menos ainda sua obsessão por ser pai, já que é a segunda gravidez dela, e olha que a primeira nem foi ele que causou! Hoje eu amo Valentina, mas durante muito tempo não consegui fazer nada além de aturar a situação, mesmo hoje não entendo como ele pôde assumir a filha de outro, não quero nem um meu, imagina o dos outros.

Por isso, não consigo entender como acabei como acabei, não consigo nem olhar para trás e ver se aquela coisinha está bem, eu deveria estar ouvindo gritos e choro, mas tudo o que preenche o carro é o silêncio, ele deve estar em choque. Eu devo estar em choque, devo estar louco e possuído, só pode. Merda, eu não devia ter seguido aquela mulher, não devia ter deixado ela olhar em meus olhos, não devia ter visto seu carro sendo atirado para fora da estrada, numa clara tentativa de assassinato, mas principalmente, não devia ter corrido ao seu socorro.
- O garoto que tinha asas? - perguntou minha irmã encostada na parede  próxima à cozinha, não sei o quanto ela ouviu, mas, pelo sorriso bobo igual ao do marido no rosto, acredito que foi mais do que deveria. - Isso é muito romântico, vai ser uma pena quando ela descobrir que o anjo, na verdade, era um monstro em um dia bom. - Ela abandona o sorriso e assume uma postura mais dura, triste até, eu diria. Algo que me enlouquece e me devolve a voz.
Desde o momento em que seus olhos encontraram os meus eu me senti desconfortável, aquilo era insano, ela não podia olhar minha alma, mas eu sentia como se pudesse, não devia ter ficado tão preocupado com seus ferimentos, e nem chamado socorro e não devia ter feito uma promessa sem saber onde estava me metendo. Mas eu fiz, minha mente não pensou e meu corpo só reagiu. E agora, agora eu tenho uma garota sem nome para salvar, um garoto estranho e quieto para tomar conta, e nem ao mesmo posso chamar a polícia porque ela me fez prometer que esconderia o moleque. 
- Porque tem um garotinho que parece ter visto um fantasma no nosso sofá? - pergunta Gustavo entrando no quarto da Bárbara com cara de sono. Ele boceja e passa a mão pelo rosto tentando acordar para não perder nem um segundo do novo espetáculo em cartaz: como foder o Augusto em Cinquenta Tons de Promessas Babacas! Sim eu havia visto o filme original, minha irmã havia me obrigado e eu tinha certeza que era muito mais bem dotado que o psicopata fodidão que gostava de dar uns tapinhas na mulherada.
- Porque nosso irmão resolveu brincar de Capitão América - responde ríspida - O que você tinha na cabeça de prometer uma coisa dessas? - pergunta se voltando para mim novamente, até Gustavo levantar a bunda da cama e aparecer (com uma câmera) eu já tinha tido tempo de contar a ela e Ian tudo que aconteceu em detalhes. 
Eu estava ferrado, e estaria mais ainda quando chegasse em casa, porque além de gritos, perguntas e todo esse monte de merda que eu teria que resolver, eu sentia um medo do caralho, porque não conseguia esquecer de seu olhar é de sua boca dizendo que eu era seu anjo.

Antes de mais nada é para aqueles que leram até aqui e se interessaram, eu tenho algo a dizer, esse livro é o segundo de uma trilogia, e sendo tal - apesar de ser uma história nova, ainda envolve personagens do primeiro - há pequenos spoilers, não citado na resenha até agora, que acabam por estragar o clima de mistério do primeiro livro, assim se gostaram clique aqui, para ler a resenha de O garotos dos olhos azuis, que é tão sensacional quanto este.

O que dizer de um livro que me fez virar páginas freneticamente, que eu lia no trem enquanto ia para outra cidade, que li no metrô a caminho de entregas e outras coisas do trabalho, que li no meu horário de almoço, que li em casa antes de dormir, já deu para entender que li em cada momento que consegui, pois esse livro é intenso assim, não te sobra alternativa além de ler até acabar e descobrir como tudo se desenrola.

Depois de presenciar uma tentativa de assassinato, Augusto se mete numa fria, a garota que estava no carro acaba seriamente ferida e ele nem mesmo sabe se ela vai sobreviver - ele espera que sim -, mas antes dela desmaiar lhe faz um pedido, que cuide de sua vida no banco de trás e que pegue uma maleta no porta-luvas, e que não chame a polícia, principalmente. Ele aceita, mas isso antes de ver que a vida dela se tratava de uma criança e que a maleta continha uma enorme quantidade de dinheiro.

Onde ele havia se metido? A garota tem segredos, o menino não fala e ele de uma hora para outra se vê cuidando de uma criança que não é sua e se preocupando com uma garota que ele nem sabe o nome. 

Confesso que apesar de amar o Augusto eu amo ainda mais o Ian, mas nossa senhora, não me lembrava que a Barbara era tão doida assim, gente como eu ri com essa mulher! Sensacional, melhores cenas, melhores risadas e como a bichinha é cruel com o irmão mais velho, contudo eu a entendo e entendo também o Augusto.

Para muitos ele seria só o cafajeste e idiota que usa as mulheres, mas para mim ele é só um cara que não conheceu o amor ainda, o amor legítimo, aquele que você dá sem receber nada em troca, aquele que aperta o coração e que te faz sofrer na mesma medida em que te faz feliz, e isso fica claro ao longo do livro.
Eu sempre quis o amor e para mim felicidade é encontrar alguém que o devolva.
Assim como fica claro que a garota sem nome, Anna, mas esse nome é falso, tem um problema nas mãos do tamanho do mundo e que ela assim como o Augusto não sabe muito bem o que é amar, ou melhor ela ama, mas ninguém ama de volta, e que o que ela passou deixou marcas, tanto físicas quanto emocionais, ela se esconde atrás de muitos muros, e tranca seu coração, pois precisa sobreviver e cuidar de seu filho, fugir, mas ela diferente do Monstro, vulgo Augusto, quer amar.
Assinto constrangido por ter sido pego no flagra e continuo o que estava fazendo evitando seu olhar.
Quando termino de passar corretivo na cicatriz e embaixo dos olhos, volto a ligar o vídeo por tempo suficiente para saber quais são os próximos passos, não deve ser tão difícil, a maioria das mulheres faz essa merda todo dia, não deve ter segredo. Base, a menina do vídeo diz que depois vem a base, mas que porra é uma base? procuro sem sucesso pelo tubinho até que me irrito e despejo todo o conteúdo da bolsa dentro da pia.
O clima de suspense te prende do inicio ao fim, você quer, ou melhor, precisa saber quem Anna é e o que houve, por que ela foge, mas é o amor, nas diferentes medidas e personagens antigos que te fazem ficar, ver como eles estão é incrível, ver como essa família é unida e maluca é engraçado e ver como Augusto e Anna desenvolvem múltiplos sentimentos e aos poucos abandonam o egoísmo é tocante.

E é claro que a Raiza soube caprichar, as citações no início de cada capítulo são perfeitas, te preparam completamente para o que virá pela frente, a variedade de narradores, sempre pegando a cena pelo melhor foco, te deixa a par de tudo, e se prepare para as mais variadas reações, você vai rir, chorar, se emocionara, se entristecer, compreender e sentir raiva, porque o ser humano é assim, imperfeito, mas na hora certa perfeito também.
Ele é péssimo com as palavras, mas estava se tornando cada vez melhor com os atos.

 

2 comentários:

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo