17.10.16

[Resenha] Em algum lugar nas estrelas :: Clare Vanderpool

Em algum lugar nas estrelas
Autora: Clare Vanderpool
Editora: DarkSide Books
Páginas: 288
Skoob  I GoodReads I Compare e compre
É um romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai... bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden. Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de sua genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor. Quando chegam as festas de fim de ano, a escola fica vazia. Todos os alunos voltam para casa, para celebrar com suas famílias. Todos, menos Jack e Early. Os dois aproveitam a solidão involuntária e partem em uma jornada ao encontro do lendário Urso Apalache. Nessa grande aventura, vão encontrar piratas, seres fantásticos e até, quem sabe, uma maneira de trazer os mortos de volta – ainda que talvez do que Jack mais precise seja aprender a deixá-los em paz.
Ao fim da segunda guerra mundial, o pai de Jack -Capitão John Baker jr- volta para casa, mas não para uma festa ou um baile, e sim para o funeral de sua esposa. Jack se sente culpado pela morte da mãe, pois quando seu pai foi embora prometeu cuidar dela, e sente como se não tivesse cumprido com sua palavra. Pai e filho passam a morar juntos, mas parecem dois estranhos na mesma casa, o capitão da marinha não sabe lidar com o filho, quando partiu ele era apenas um garotinho lendo gibis, agora se tornou um adolescente cheio de problemas passando pela morte da mãe.

Por isso Jack se muda do nordeste do Kansas para a ''Escola para Meninos Morton Hill''. Lá ele a aconselhado a participar dos grupos de amigos, para manter relações de afeto. Até que ele encontra
Early Auden, um menino estranho, que vai para as aulas apenas quando quer e sai da sala no momento que decidir, ele tem costumes estranhos, como dividir balas de goma por cores quando está tentando se acalmar e tem a música certa para cada dia: domingo é Mozart, segunda-feira Louis Armstrong, quarta-feira Frank Sinatra, sexta-feira Glenn Miller e quando chove é sempre Billie Holyday, ou seja, ele gosta de ter tudo sob controle e quando algo sai do previsto não sabe como agir
- É a minha oficina. Meu pai nunca me deixou ter uma oficina em casa. Dizia que eu ia acabar com a vida dele. Mas não fui eu. Foi o coração. Ele teve um infarto.
Early acha que Pi não é apenas um número infinito. Ele enxerga uma história por trás de cada algarismo depois da vírgula, e acha que Pi é um personagem que foi conquistar seu próprio nome e desapareceu. 

Quando Early convida Jack para uma viagem nas férias do outono, em que ele iria caçar Pi, o menino não aceita, pois ainda não sabe o que achar das ideias do colega, e achava que seu pai iria lhe buscar. Mas depois de uma carta do pai ele nota que iria ficar na escola, por isso decide num impulso ir nessa jornada com Early, que ira dividir sua vida em antes e depois, lhe trazendo reflexões, lembranças e descobertas. 

Às vezes é melhor não ver todo o caminho que se estende diante de você. Deixe a vida surpreendê-lo, Jackie.
Achei bacana os capítulos sobre Pi, mostrando um pouco sobre o que Early acha que é verdade, desde suas viagem para buscar o nome até o desaparecimento do personagem. O garoto não acredita que o número irá terminar algum dia, que é o que seu professor diz, ele defende a ideia de que o número é infinito, pois para ele, se o número acaba, o personagem acaba também.

Early tem uma doença, mas que não acho justo dizer qual é, já que a própria autora não a citou na trama, já que na época do livro as pessoas portadoras dela eram apenas conhecidas como estranhas, assim como o personagem que é retratado. No fim da leitura o leitor por curiosidade pode usar o Google para procurar sobre a doença e consegue facilmente relacionar com o que foi mostrado no livro. 

Jack foi um personagem bem explorado, tenta vencer o luto e não entende a atitude de seu pai. Ele é um menino que ao mesmo tempo que tenta acreditar nas teorias do colega, em alguns momentos se estressa com ele, pelas inúmeras explicações sobre um assunto e a inteligência avançada. Early também foi bem criado, consegui sentir a necessidade dele de fazer a viagem, até porque durante o percurso os dois amigos descobrem muito, e o motivo verdadeiro da viagem é mostrado. Achei aplausível o ponto de vista ser de Jack, pois Early é interessante também, mas o outro é o foco, ele que  mais aprende no decorrer dos acontecimentos, e transmite isso ao leitor. 

Durante a viagem Early e Jack aprendem muito, conhecem piratas, uma mulher mais velha, um homem que sente falta da esposa... são estórias que, mesmo sendo como plano de fundo, têm uma certa importância e peso de aprendizado na vida dos personagens.
Os números têm textura e paisagem, montanhas, ondas, areia e tempestades. E palavras... sobre Pi e sua jornada. Os números contam uma história.
Assim que vi a editora DarkSide anunciando o lançamento desse livro eu quis de imediato, quando ganhei o livro comecei a ler e pausei a leitura diversas vezes por motivos variados. Mas em outubro eu tive a oportunidade de me aventurar pelas páginas dessa belíssima arte e não me decepcionei, se tornou um dos melhores do ano, com certeza! Espero que consiga convencer todos a lerem. 

Clare Vanderpool tem uma narrativa diferente, ao mesmo tempo que é leve, ela consegue ser densa, o livro é rápido de ler, mas precisa de uma certa atenção. Ela levou uma história complexa de uma maneira perfeita para inserir o leitor e o deixar querendo cada vez mais. 

Se eu soubesse o que havia para saber sobre Early Auden, o mais estranho dos garotos, poderia ter sentido medo ou, pelo menos, ficado longe como todos os outros. 
Assim como Early vê cores, formas e texturas nos números de Pi, eu consegui sentir o mesmo com Em algum lugar nas estrelas, uma história delicada que passou o valor da amizade e da família, bem explorada e com uma narrativa na medida certa, que deixa o leitor envolvido. Esse livro é como um abraço: pode te ajudar a passar por algo ou não, mas faz diferença e te marca. Consegui saber sempre mais na narrativa, me vi na história e quis conhecer os personagens, dizer a eles que tudo iria ficar bem e que estou torcendo para eles.

A edição está belíssima, a capa é uma das mais bonitas da editora, cheia de detalhes que podem ser percebidos melhor pessoalmente. Uma constelação diferente em cada capítulo. Diagramação perfeita e não encontrei erros de revisão. Ilustrações bem feitas no início do livro.


Convido você a fazer parte dessa viagem, no livro a constelação Ursa maior é como uma mãe que guia seus filhos para o caminho certo, e  agora sinto que ela está dizendo que o caminho certo é pegar esse livro na estante e ler. Quem diria que o menino que ficava enjoado ao ver o mar iria passar por algo tão arriscado. Indico muito mesmo, e lembre-se: quando chove, é sempre Billie Holyday.

Early não havia perdido a direção. Sabia quem era e onde ia. Eu não sabia.

3 comentários:

  1. Hey flor!
    Que amor de livro <3 Estou encantada com a sensibilidade dos quotes, e já quero muito ler!
    Ótima resenha :D

    Beijos da Luh,
    http://heartbreaker-girls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Maria Fernanda!
    Acredita que esse livro já está na minha lista a um tempo? Pois sé, ainda tenho tantos livros na lista... Mas estou realmente curiosa sobre o livro, sua resenha meu deu uma noção melhor de como é a história.
    Muito boa a resenha ^^
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu também comecei a ler esse livro mas parei =/ eu estava amando, mas tive alguns imprevisto e tive que abandonar a leitura, mas pretendo ler esse mês ainda <3 até onde eu li, a história estava bem bacana, gostei bastante da escrita da autora. As ilustrações do livro são realmente incríveis.

    Beijos

    http://www.entrelinhaseparagrafos.com.br/

    ResponderExcluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo