controles do slide

13.8.21

[Resenha] Quando a Bela Domou a Fera :: Eloisa James


Quando a Bela Domou a Fera - Contos de Fadas #2 
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Adicione a sua lista de desejados e/ou compre em:  Skoob  | Goodreads | Amazon | Americanas | Submarino
SinopseEleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, "Quando a Bela domou a Fera" é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos.

Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.
No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?.

Quando a Bela Domou a Fera é o segundo livro da série Contos de Fadas, da escritora Eloisa James, e já adiante que o livro pode ser lido como stand-alone, ou seja, não há a necessidade de ler o livro anterior, Um Beijo À Meia-Noite, para o bom entendimento deste.

Essa obra tem como protagonista a jovem Linnet, ela é a joia da temporada. A jovem Lady tem todo o necessário para ser considerado um ótimo partido, é belíssima, charmosa, culta e tem um dote atrativo, esses eram pontos que chamavam atenção de todos os homens da alta sociedade que estavam em busca de uma noiva para chamar de sua.

Entretanto a vida de Linnet muda de Lady desejada a Lady rechaçada rapidamente quando se vê como protagonista de um escândalo, tudo causado por um beijo e um vestido desafortunado. Afinal, para os mexeriqueiros de plantão, não importa o que de fato aconteceu, mas sim o que uma pessoa falou e outras dezenas repetiram. Logo, o veredito está anunciado: Lady Linnet está arruinada. Sendo assim, uma simples fofoca é capaz de trazer a ruína ao futuro de uma sonhadora jovem que já atraiu até as atenções de um príncipe.

‘‘- A culpa é do seu comportamento – respondeu a Sra. Hutchins. – Você devia ter aprendido com o exemplo de sua mãe que, se agir desse jeito espevitado, as pessoas acharão que você é promíscua. Nos últimos meses, tentei, da melhor forma possível, dar conselhos de boas maneiras, mas você não me deu ouvidos. Agora, precisa colher o que plantou.’’

Com os escândalo instaurado e a sua reputação abalada, Linnet recebe uma proposta: casar com Piers Yelverton, o conde de Marchante que não tem uma reputação muito boa e que vive isolado no seu castelo no País de Gales, para dar o herdeiro que o pai do nobre tanto almeja, mas que não tem perspectiva de ter, visto que seu filho se nega veementemente a casar-se; sem falar no acidente que sofrera alguns anos e que o machucara de forma irreparável.

Acordo entabulado entre os pais dos noivos, Linnet não vê outra opção senão viajar e encarar o seu destino: conhecer o seu novo noivo. Mas Piers é diferente do que Linnet esperava, ele não é apenas um nobre, é um médico que se dedica a ajudar as pessoas; assim como Linnet também o é, ela é muito mais do que apenas uma moça extremamente bela. Ambos já tinham expectativas e preconceitos formados com relação um ao outro e com a convivência de habitar num mesmo castelo vão pouco a pouco transpondo as barreiras um do outro.

Entretanto Piers tem uma certeza, se Linnet foi aprovada por seu pai, então com certeza ela não é a moça ideal para ele, ele pode até apreciar a companhia dela e a bela visão que ela é, mas mais do que isso está fora de cogitação, casar-se com uma mulher aprovada e trazida pelo seu pai como um presente é algo que ele rechaça veementemente, afinal, ele não pode simplesmente superar o passado horroroso que tivera e trazer felicidade ao seu pai simplesmente aceitando as suas decisões para o seu futuro.

Uma pena que Linnet entrou com o seu coração desprotegido nessa história toda, até esperava ter uma relação amigável com aquele homem grosso e que parece ser o único a não render-se aos seus incontestáveis encantos, mas com certeza não esperava que o Conde se mostrasse tão indiferente aos seus sentimentos e que tivesse como meta de vida fazer o oposto aos desejos do seu pai.

Agora resta saber se para Piers pesa mais na balança os seus sentimentos e possibilidade de um futuro possivelmente feliz ao lado de uma mulher por quem nutre sentimentos até então inesperados, e que surpreendentemente parece ser recíproco, ou se a chance de ver o pai infeliz, ao vê-lo sem uma noiva, sem a possibilidade de herdeiros e sem honrar com o acordo de casamento feito é mais importante para ele.

Piers é um mocinho bem diferente dos típicos lordes dos romances de época, é um personagem bem cabeça dura e por vezes intratável, ao estilo do icônico protagonista do seriado House, Dr. Gregory House. Piers com o seu tratamento bruto, falta de tato em algumas situação e cordialidade em outras é a ‘‘fera’’ do romance, enquanto Linnet é o sol, a Lady que Piers passa a admirar e ao mesmo tempo desprezar é a clara referência a ‘‘bela’’ do conto de fadas, uma personagem forte que não abaixa a cabeça aos intempéries da personalidade de Piers.

Quando a Bela Domou a Fera é uma leitura prazerosa e envolvente, repleta de diálogos espirituosos que fazem o leitor virar página após página ávido para continuar a acompanhar a história desse jovem casal e todos os percalços que eles encontram pelo caminho para poder encontrar o seu final feliz, percalços que são inseridos na narrativa pelos próprios protagonistas que têm personalidades fortes e determinadas, bem como, das histórias de fundo com personagens tão atrativos e carismáticos quanto os protagonistas.

A obra apresenta conteúdo adulto, cheio de cenas apimentadas, e também cenas que mostram como deve ser um relacionamento saudável. Quando a Bela Domou a Fera tem uma narrativa espirituosa que torna a leitura muito agradável de se acompanhar. Ademais, o livro também aborda o uso de entorpecentes e um pouco sobre como era a medicina na época, além de abordar como o abuso infantil pode gerar sequelas e traumas em uma criança, que pode levar isso até a fase adulta tendo dificuldades de convívio e permitir-se confiar nas pessoas.

Por fim, gostei mais desse livro do que o anterior intitulado Um Beijo à Meia-Noite, releitura de Cinderela, e já adianto que esse se tornou um dos meus romances de época favoritos e que estou ansiosa para continuar a leitura dessa série e conhecer os próximos protagonistas. Enfim, leitura mais do que indicada. 

Agora me conta, gosta de romances de época? Já leu algum livro da Eloisa James

comentários pelo facebook:

3 comentários

  1. Oi Andy,
    Ainda não li nada dessa autora, mas gostei muito da sua resenha. Já estou olhando essa série com outros olhos, com certeza vou procurar para ler.
    Bjos
    Kelen Vasconcelos
    https://www.kelenvasconcelos.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Andy. Como vai? Parece um livro de excelência, principalmente para os amantes de romance de época. Particularmente este gênero não costuma me agradar, contudo este aí pode me surpreendercaso eu vier a lê-lo. Que bom que você tenha gostado da leitura. Sua resenhs ficou ótima, viu. Abraço!


    http://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oie ! Não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa para ler, amo esse estilo de história ♡

    www.blogresenhando.travel.blog

    ResponderExcluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

últimas resenhas