3.4.16

[Meus Devaneios] Escondidos


Passei minha vida inteira atrás de um único objetivo: me esconder. Quando as visitas chegavam em casa, minha mãe passava vergonha e eu não me arrependia nenhum momento de fazê-la sentir isso.

-Isabella, desça aqui querida! Sua tia e seus primos chegaram.

Eu respondia com um baque forte, surdo. Resultado da porta de madeira do meu quarto sendo fechada bruscamente. Pulava na cama embalada por um aspecto tedioso causado pelas queixas da minha mãe no andar de baixo. O jeito era deitar, colocar os fones de ouvido e permanecer trancada no meu próprio mundo até que as visitas fossem embora.

Nem sempre fui assim. Antes era uma menina alegre que gostava de brincar com outras crianças, ir ao colégio e participar de eventos da família (não que eu seja triste agora, só não gosto de socializar). Mas depois que entrei na adolescência isso tudo passou a ser tão irracional e sofrido. O convívio com outras pessoas era, senão, uma tortura para mim. Os olhos dos meninos em meus seios, que cresciam descontroladamente, era o impulso para eu querer acertar à todos com um belo murro. E não era só isso. Parecia que todo tipo de conversa me causava irritação. As mulheres da família falando sobre filhos, supermercado, doenças. Os homens sobre jogos de futebol, carros e mulheres que eles já não podiam mais ter.

Eu não gostava das pessoas. Não me importava com a companhia delas.

Minha mãe falava que eu estava doente e precisava me tratar, mas eu achava que quem precisava de tratamento era ela. Não era eu quem ficava limpando toda a casa de meia em meia hora. Às vezes as pessoas não conseguem (ou não querem) enxergar os próprios defeitos, por consequência, ficam apontando os dos outros. Isso deve ser efeito de algum sistema paradoxal para se sentir melhor, que sinceramente, não funciona comigo.

Na escola o burburinho era pior do que as aulas de matemática. As meninas melando os lábios com gloss e os meninos riscando as carteiras com desenhos obscenos. Lá também me escondia. No fundo da classe, atrás das páginas de algum livro, no intervalo em um canto reservado do pátio e após esse horário seguia para a biblioteca onde os raios de sol não podiam queimar minha pele e o cheiro de mofo dos livros me faziam sentir um agradável conforto particular.

E foi naquele lugar, escondida, que acabei o encontrando. Na seção dos dramas, guiado por um óculos de grau com pernas remendadas. Te observando percebi que também gostava de se esconder. O tempo foi passando. Você também me encontrou. Em meio há tantas histórias, passamos a nos esconder juntos, tornando-se cúmplices antissociais. Você também sentia asco das visitas, conversas de família, das aulas de matemática e sua mãe era idêntica a minha na questão do “se tratar”. Mas nós sabíamos que éramos normais. Pelo menos do nosso jeito. Fomos se escondendo, nos encontrando e acima de tudo sendo nós mesmos. Sempre. E sabe, agora, eu até que gosto das pessoas, mas gosto principalmente de você.


2 comentários:

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo