controles do slide

20.9.19

[Livro + Série] Resenha :: Anne de Green Gables :: Lucy Maud Montgomery :: Anne with an e :: Netflix


Qual é a definição de clássico?
Segundo o Infopédia a palavra  C l á s s i c o  dentre outras definições teria a seguinte:
5. Que corresponde a padrões considerados perfeitos e intemporais numa determinada época.

Ou seja é atemporal, presente em todas as épocas atravessando o tempo. A arte têm dessas coisas... A artimanha de reinventar-se a cada época mas sempre carregando a sua essência original. Uma dessas muitas obras que carregam isso em sua base sem dúvidas é Anne de Green Gables por um bom tempo desejei falar sobre esse livro em especial e com a chegada da 3ª temporada da adaptação de nome Anne with an e cada vez mais próxima, acredito que esse seja o momento certo.

Anne de Green Gables #1
Autora: Lucy Maud Montgomery
Editora: Pedrazul
Páginas: 236
Tudo parecia confortável demais na vida dos irmãos Matthew e Marilla Cuthbert, mas o coração de Matthew começava a dar sinais de que a idade lhe havia chegado. Decidiram,  não antes sem muita ponderação, adotar um menino de doze anos, para que pudesse receber educação apropria e ser ajudante de Matthew. Mas, a mão da Providência, já havia agido na vida deles, e através de um erro de comunicação, uma menina ruiva, tagarela e sardenta, ocupou o lugar do menino.

Conheci essa obra há uns anos em uma biblioteca, na época estava procurando um romance 'qualquer' para ler, já que tinha acabado de sair de uma fase poética (claro, amo poesia, mas passei um tempo só lendo esse gênero); então perdido em meio a outros livros de literatura estrangeira vi esse livro e... aquela frase clichê: "Tudo mudou".

Anne de Green Gables é a primeira obra de uma série de livros escritos pela escritora canadense Lucy Maud Montgomery há mais de 100 anos atrás! Isso mesmo fazem mais de 100 anos que esse romance foi desenvolvido, e desde sua primeira publicação foi um sucesso.



A trama conta a história da jovem Anne Shirley, uma garota órfã que desde cedo sofre com as tristes coincidências da vida. Anne, ainda muito pequena perde os pais, e acaba indo morar com uma conhecida da família, onde teve que trabalhar como babá para sobreviver na casa de seus "padrinhos"; logo fora morar com um outro casal tendo novamente que trabalhar como babá, sendo esse repleto de humilhações para a pobre menina. Após alguns anos a garota é levada para um orfanato, isso poderia até parecer um sopro de luz em meio a tanto tempo de trevas, mas lá a garota é vitima da discriminação, praticada não só pelos adultos mas também pelas crianças do local. 

"Que vida faminta e sem amor ela tinha levado: uma vida de labuta, pobreza e abandono, pois Marilla era bastante perspicaz para ler nas entrelinhas da história de Anne e adivinhar a verdade. Não era de admirar que tivesse ficado tão deliciada com a possibilidade de ter realmente um lar." pg.(41)

Do outro lado da história, vemos um velho casal de irmãos solitários, que sempre se mantiveram distantes das pessoas da pequena cidade onde moram, mas com a chegada de uma idade mais avançada os dois decidem adotar um garoto, esse que receberia educação e ajudaria Matthew na fazenda. Porém, eles não esperavam que em uma confusão de diálogos, quem viria a estação seria uma garotinha cheia de sonhos, tagarela e exageradamente feliz. Não só a vida dos irmãos muda aos poucos, como de toda vizinhança. Anne mergulha em um novo mundo, onde ela deve se adaptar, mas onde ela também é uma grande percursora de mudanças.

"A beleza da cena parecia ter embasbacado a criança. Ela se reclinou sobre a charrete, com as mãos postas diante do rosto, que, extasiado, se voltava para o alvo esplendor lá no alto. Nem mesmo depois de saírem da Avenida e descerem a longa encosta que levava a Newbridge, ela se dignou a falar ou mover um músculo. Ainda extasiada, ela fitava o poente distante, e seus olhos viam miragens que desfilavam esplendidamente naquele pano de fundo afogueado." pg.(23)

Anne é uma pessoa diferente. Em todo o sentido da palavra. Não! Não digo que sua diferença está em seu físico, mas em seu interior; ela é um ser que se expressa por completo, que sente por completo. Acredito que isso é uma das muitas coisas que fazem com que a personagem se eternize.
Além disso, a história engloba conceitos que são muito atuais, como o preconceito e a autoaceitação, tratada por todo o livro de uma forma leve, mas que cumpre o seu papel de expor o problema ao leitor.  Anne, transmite suas indagações sobre a vida, a sociedade da época, com todos os seus costumes incompreensíveis. A nossa pequena protagonista no auto da sua imaginação consegue trazer ao leitor todas as suas sensações mais profundas e possibilitar ao mesmo a emoção da infância e o descobrimento de um novo eu a todo momento.

Mas e a série???

Confesso que fiquei um bom tempo pensando se deveria assistir ou não. Tinha um pouco de receio de me decepcionar com o resultado da produção. E  EU ESTAVA ERRADA! Isso, completamente equivocada. Claro, é uma adaptação, e não é totalmente fiel ao livro. Mas, traz no seu íntimo a essência de todos os personagens, e além de manter a história original a completa. Diferentemente do livro podemos perceber todos os pontos de vista, não somente de nossa heroína, mas de grande parte dos personagens, além de abordar de maneira mais aberta de assuntos da época (que absurdamente ainda se mantém), tanto relativos ao preconceito racial, ao machismo, quanto a homofobia.

Anne sem duvida é uma heroína juvenil fora dos padrões que a sociedade insiste em impor. A garota em toda sua força expressa sua opinião diante do mundo, mesmo que todos estejam contra ela. Uma história à frente de sua época. E que na adaptação, de uma maneira ainda mais persistente do que no livro, faz com que possamos refletir o quão conceitos retrógrados ainda competem em nossa sociedade. Ademais, o que essa obra nos revela é a qualidade em efeitos sonoros e visuais, cada detalhe desde a abertura da mesma até o final, faz com que o público seja imergido na trama e sinta ao íntimo todas as sensações de nossa protagonista.

É uma trama atual, mesmo se passando a mais de cem anos, e claro ela é algo que pode ser apreciado por qualquer idade. Tanto o livro quanto a série. Espero que todos tenham a oportunidade de desfrutar das duas obras, e claro, um conselho: comecem pelo livro, por favor. Mas quem não começou, não tem problema algum, faça ao contrário, mas não deixe de sentir essa pérola. 
















Alguém já assistiu e/ou leu essa obra? O que vocês acharam? Deixem nos comentários, irei amar saber a opinião de vocês. E quem não assistiu fique a vontade para comentar também (risos). 

OBS: O passado de Anne é transmitido de uma forma não linear, já que é exposto pela garota como forma de memórias não contínuas.






comentários pelo facebook:

6 comentários

  1. Que resenha MARAVILHOSA! Eu sou completamente apaixonada por essa história, ela traz uma leveza e pureza não por se tratar de uma criança no começo dos livros, mas por preservar ao longo da história o melhor lado de cada personagem.
    Ainda não tive a oportunidade de ler os livros, espero inclusive, que tenha a tradução para todos eles, seria maravilhoso.
    Essa história é sem dúvidas uma que todo mundo deveria ter contato pelo menos uma vez na vida :)
    Mil beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Concordo plenamente! Essa história é uma das que deviam ser obrigatórias desde a escola! Acredito que a Pedrazul já tenha traduzido todos os livros da série.

      Excluir
  2. Terminei a segunda temporada da série mês passado e me encantada pela adaptação. Depois da sua resenha fiquei com mais vontade de ler esse clássico, os livros devem ser incríveis *-*
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim! Os livros são maravilhosos, vou começar a leitura do 2°. Vale super a pena *--*

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

últimas resenhas