17.3.17

[Resenha] Coração de Aço :: Brandon Sanderson

Coração de Aço - Executores #1
Autor: Brandon Sanderson
Editora: Aleph
Páginas: 375
Misteriosamente várias pessoas, de diferentes origens, recebem superpoderes, mas são corrompidas por eles e tornam-se vilões cruéis. Após tomarem o controle das cidades para si, eles criam uma nova realidade distópica, submetendo os humanos a uma vida de servidão. Isso aconteceu há dez anos, quando David viu seu pai ser morto por Coração de Aço, ditador de Nova Chicago. Agora, ele se dedica a estudar as fraquezas desse e de outros supervilões, planejando fazer parte do misterioso grupo dos Executores, pessoas comuns com a ousada missão de matar os tiranos um a um. 

É comum entrarmos numa livraria e avistarmos um livro cuja tema principal é distopia. Ultimamente esse tema – mesmo outrora tendo gerado polêmicas (como o caso do livro 1984) – virou atração principal para os jovens leitores. Os mais famosos atualmente são obras de grande sucesso, como Jogos Vorazes, Divergente e até mesmo Maze Runner.

Mas em meio a realidades futurísticas, onde um governo soberano oprime seus cidadãos, eis que surge a nova série de Brandon Sanderson, com o primeiro volume intitulado Coração de Aço. Distanciando-se do clichê distópico, o autor optou por ilustrar governantes superpoderosos, mistura de deus com herói (no caso aqui, vilão!). Foi um acerto genial de Brandon.

O romance narra a história de David que, com seus dezoito anos, está decidido em se aliar aos Executores – um grupo secreto que caça e mata Épicos. Os Épicos não são pessoas, embora já tenham sido, pois possuem poderes indiscutíveis, mantendo assim as pessoas comuns, sem poder nenhum, sob seu domínio.

Há dez anos surge no céu Calamidade, uma estrela/cometa flamejante que despertaria o mal no mundo. Com a estrela, pessoas começaram a ganhar poderes e se tornarem perversas. Os Altos Épicos, invencíveis, cujos poderes são soberanos, governam sobre todos, tanto sobre pessoas como sobre Épicos. Um desses superpoderosos se chama Coração de Aço, nunca derrotado, assassino do pai de David. Dez anos se passaram. David tinha apenas 8 anos quando viu seu pai morrer pelas mãos do atual imperador de Nova Chicago (cidade transformada em aço até suas entranhas assim que Coração de Aço decidiu governá-la), mas agora, após anos de anotações e descobertas sobre os inimigos Épicos, busca por vingança.

Ele se alia aos Executores e, reunindo seus conhecimentos, passa-os para o grupo a fim de executar Coração de Aço. A princípio ninguém acredita que David possui tais conhecimentos, sendo tão jovem, mas ele os transmite e vai ganhando confiança ao longo da narrativa. O importante, para ele, é fazer parte desse grupo lendário e tentar fazer o bem, tentar trazer de volta a paz que todos tinham antes da estrela Calamidade, antes dos vilões denominados Épicos.

De modo que, para tirar as pessoas dessa escravidão, excluir os tiranos do mundo e tentarem manter uma vida digna, só resta a David e aos Executores assassinar Coração de Aço, rei de Nova Chicago, um dos maiores e mais fortes Épicos conhecidos.


Coração de Aço foi o meu primeiro contato com esse autor. Sei que ele é conhecido mundialmente e provavelmente é um dos maiores escritores para o público adulto juvenil contemporâneo, mas confesso que eu não sabia nada dele. Usando uma narrativa leve e humorística (o que me deixou com um pé atrás, no entanto), Brandon conquista os leitores e os fazem entrar na história completamente.

A narrativa é rápida em alguns pontos, lenta em outros, e essa alternância é interessante em livros de ação. Não que esse seja um livro de ação completo, mas é óbvio que todos os subclímax aqui presentes são recheados de ação hollywoodiana. O estilo de narrativa, sendo em primeira pessoa, é engraçada, ao mesmo tempo que sombria. O suspense ascende a cada página, e quando os segredos são revelados, tudo é muita surpresa, algumas coisas são impossíveis adivinhar. Na cabeça de David acompanhamos somente seus pensamentos, somente o que ele sabe, então tudo o que ele descobre é tanto surpresa para ele quanto para o leitor.

A coisa que me deixou com o pé atrás foi: o David é muito espontâneo, divertido, intelectual. Comparando esse personagem à Katniss, à Tris, ou até ao Winston, de 1984, notamos que todos são oprimidos, enclausurados em seus mundinhos, pensando que o pior pode acontecer a qualquer instante. David não é assim, muito pelo contrário. Mesmo em um mundo dominado por um governo opressor, o garoto leva tudo muito a desejar, como se tanto faz para o que acontecer. Isso me deixou pensativo, e acho que se eu estivesse no lugar dele, tivesse a vida que ele teve, não seria assim. Seria como um dos personagens citados acima.

Os personagens em Coração de Aço são interessantes, todos donos de autoconfiança, com personalidades fortes e marcantes. Para os amantes de super-heróis, Coração de Aço é indispensável. A descrição dos Épicos, de como são usados seus poderes e tudo relacionado a esse mundo desconhecido, brotado pela estrela Calamidade, têm traços da Marvel e de seus heróis – mesmo a situação aqui sendo totalmente alheia aos dos deuses atuais.

O livro possui passagens fortes, inesquecíveis. A maioria é um misto de ação com suspense, a trama cresce e não decresce em nenhum ponto. Ao chegar nas últimas páginas já é possível deduzir que o final será explosivo – e realmente é. Preenchido por revelações mirabolantes e mergulhado num ápice arrebatador, o primeiro volume da série Executores é concluído da melhor forma possível, com perguntas lançadas no ar e o desejo por respostas, o que faz o leitor ficar louco pela sequência. Infelizmente, no Brasil só há o primeiro livro.

Coração de Aço é recomendado por todos que o leem, e isso me fez lê-lo com mais desejo. Não foi um livro que me prendeu muito de início; isso se deu por não ser meu estilo favorito de livro. Entretanto, a partir de um quarto da história eu não queria largar mais, e quando finalizei desejei ter meu nível em inglês avançadíssimo para ler o segundo!

Necessário ter na estante, Brandon Sanderson se tornou um autor renomado para mim. Nunca mais saio de uma livraria sem antes checar quais as novidades do autor no Brasil. 


Por Saullo Brenner

2 comentários:

  1. Olá Saullo!
    Não conhecia esse autor, mas o bacana é que cada vez mais tem chegado aqui no Brasil autores, não muito conhecidos por aqui, mas renomados lá fora. Achei a ideia do livro incrível, mas realmente não gostei do ponto negativo que você levantou. Isso não atrapalhou a leitura? O fato do personagem principal ter emoções tão leves para a trama?
    De qualquer forma fiquei interessada, e vou esperar as outras resenhas para decidir se leio ou não.
    Abraço.
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Kelen! Sim, o Brasil está se tornando referência em importação de bons autores hehe
      Olha, o livro é bem legal e vale muito a pena ler. Brandon Sanderson é um ótimo autor, e segue a mesma linha de narrativa do Rick Riordan. O que difere os dois é que o tio Rick tem um problema com histórias muito previsívris, e o Brandon adora dar um plot-twist. Quanto às emoções do personagem, é, isso me incomodou um pouco, mas talvez porque eu queira levar tudo ao pé da letra. Acontece que se compararmos histórias de vida parecidas, assemelhando o David à Katniss, por exemplo, percebemos que David está excessivamente feliz com tudo o que está acontecendo.
      Fora isso, a leitura é gostosa e fácil de acompanhar, e essa trilogia (não me recordo se será uma série) promete!
      Espero ter ajudado nas dicas U.u
      Abração!

      Excluir

A sua opinião é muto importante para nós. Obrigada!
Os comentários do blog passam por moderação antes de serem publicados.

O StarBooks é onde trocamos figurinhas sobre livros, lançamentos literários e suas adaptações, entre outras coisas; sempre com o objetivo de incentivar a leitura independente de gênero. (Mais?)

 
StarBooks © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo